Banner
Nardyello e Célio Aleixo diplomados e empossados

Eleitos com 34.697 votos (36,33%) na eleição suplementar realizada em 3 de junho, o prefeito interino de Ipatinga, Nardyello Rocha, foi diplomado e empossado oficialmente no cargo, nesta quinta-feira-21, juntamente com o vice Célio Aleixo, em sessão solene numa área externa junto ao prédio Câmara Municipal.

A diplomação dos eleitos foi feita pelo diretor do Foro da comarca e juiz da 131ª Zona Eleitoral, Thiago Grazziane Gandra. O magistrado pronunciou votos “de uma boa governança em favor do povo”.

Em seguida, o presidente interino da Câmara, Osimar Barbosa, oficializou a posse dos eleitos, e disse “este momento simboliza o marco inicial das mudanças que a cidade precisa”, seguindo-se o juramento com base na Lei Orgânica do município.

A sessão solene contou também com um momento ecumênico com palavras do padre Geraldo Ildeo Franco e do pastor Júnior Calais, que citaram, respectivamente, os salmos 127 e 122, clamando por “paz, sabedoria, justiça e equidade para a cidade” (...), “assim como o banimento da corrupção, nepotismo, incompetência e falta de ética”.

Nardyello Rocha (52), que já ocupava o cargo interinamente desde 26 de abril, quando deixou a presidência da Câmara para atender a uma convocação da Justiça Eleitoral.

Em seu discurso disse “como temos visto, e não é segredo para ninguém, o povo está muito descrente de que algo possa ser feito na esfera pública para amenizar os dramas da sociedade. E o nosso principal desafio é fazer com que este mesmo povo possa ter, de fato, vontade de sair à rua novamente, com confiança nos seus representantes. Temos a missão de trabalhar arduamente, agir com comprometimento, austeridade e transparência”, disse o prefeito em seu pronunciamento. Ele também evocou o auxílio dos deputados presentes para que ajam em favor do município, direcionando recursos para atender as necessidades da população, ao reclamar da “crueldade do pacto federativo em vigor, que mantém 60% dos recursos nas mãos da União, mais de 20% com o Estado e menos de 20% com os municípios”.